Sobriedade

15/09/2017

A PASTORAL DA SOBRIEDADE

Sobriedade não é só o bloqueio do uso das drogas, mas é a redescoberta da dignidade, do respeito, da personalidade, da espiritualidade; do verdadeiro sentido da vida.

Pastoral é uma atuação especial da Igreja, diante de um problema da sociedade, no momento em que ele se apresenta. É uma resposta da Igreja a uma problemática social.


Drogas

Drogas são substâncias de origem natural ou natural+química que afetam o sistema nervoso e produzem efeitos psicotrópicos ou psicoativos de natureza curativa, relaxante, anestesiante ou alucinógena no organismo.

Algumas são receitadas por médicos em condições especiais e o paciente deve consumi-las sob rigorosa orientação. Outras, consideradas ilegais, são usadas por pessoas que buscam, nas alterações mentais e psíquicas provocadas pelas drogas, formas de prazer que acabam levando à dependência.
Tipos de drogas

    • Estimulantes: cocaína, crack, ecstasy e anfetaminas. Destroem os sensores cerebrais que captam as sensações do corpo, pois estimulam ao máximo a atividade mental. Após passar o efeito, o usuário fica deprimido. Com isto, ele passa a usar sempre, para sentir a eterna sensação de bem-estar.
    • Alucinógenas: LSD, cogumelos, mescalina. Promovem alucinações visuais, alteram a percepção, despersonalizam (o indivíduo sente-se parte de "algo maior"). Extremamente tóxicas, essas drogas podem causar câncer, furúnculos, espinhas e danos cerebrais permanentes - é a chamada bad trip (viagem ruim).
    • Depressivas: álcool, tranqüilizantes, barbitúricos (remédios para dormir). Drogas que diminuem a atividade mental e causam uma falsa sensação de calma, destroem o sistema nervoso a longo prazo, deixando a pessoa "aérea", com extrema dificuldade de concentração.
    • Inalantes: produtos solventes de uso caseiro (acetona, esmalte, querosene, gasolina), sprays, tintas, cola de sapateiro, clorofórmio, éter ("lança-perfume"). Causam uma euforia extrema no usuário, porém de curtíssima duração. Além de bloquear a vontade de comer, são altamente viciantes e destroem vários órgãos, principalmente o pulmão.
    • Anabolizantes: provocam aumento da massa muscular e por isso são usados principalmente por esportistas e "viciados em academia", pois dão um efeito "bombado" ao corpo. Causam esterilidade, impotência sexual, retenção de líquidos, espinhas nas costas, aumento da pressão sanguínea e câncer.

Tipos de Consumo

As drogas podem ser consumidas por meio de ingestão oral, por meio de injeções, cigarros e cachimbos ou aspiração do pó.

Drogas: o caminho para a dependência

Ao longo da história, diversas razões foram encontradas para justificar o uso ilegal das drogas por diferentes povos e grupos sociais, desde seus efeitos alucinógenos em cerimônias rituais, busca de novas percepções para produção de obras de arte, exaltação da imaginação e inventividade em momentos de criação, sensação de segurança em situações de desafio, até a procura desenfreada do prazer e da fuga da realidade. Modernamente, seus efeitos maléficos, físicos e psíquicos, têm atingido principalmente os jovens, que se tornam dependentes por estarem:

  • Insatisfeitos com sua qualidade de vida.
  • Deprimidos pela falta de perspectiva de futuro.
  • Na busca de alívio para sua ansiedade.
  • Impulsionados pela obtenção do falso prazer provocado pelas drogas.
  • Alterações psicológicas.
  • Aceitação.

A sociedade deve estar atenta para alguns fatores básicos que levam o jovem às drogas, como o contexto sócio-cultural do país, a desagregação da família e a facilidade de acesso ao produto.

Tipos de dependência

  • Física - O organismo acostuma-se, de tal modo, à presença da droga, que a abstinência causa desagradáveis sintomas, como náuseas, vômitos, tremores, insônia, depressão, dores no corpo e alucinações.
  • Psicológica - Habituado a viver sob o efeito da droga, o viciado é dominado por um impulso incontrolável de consumi-la para não experimentar a angústia (fissura) da falta.

A overdose (superdosagem) de uma droga pesada pode causar danos cerebrais, ataque cardíaco e em muitos casos, é fatal.

Drogas ilegais

    • Maconha - É uma droga de origem natural, provavelmente a droga mais antiga da humanidade. É a droga mais consumida no Brasil e no mundo. Seu princípio ativo é o THC Delta-9-Tetrahidrocanabinol, que promove a chamada "perda de motivação", fenômeno que torna a pessoa apática, por exemplo, para o estudo e o trabalho - gerando dependência psicológica. Seus principais efeitos são: relaxamento, perda da noção de tempo, retardo dos reflexos, amnésia de fatos recentes, boca seca e a famosa "larica" (gíria para descrever a fome intensa), olhos vermelhos e perda de neurônios.
    • Cocaína - É uma substância natural, extraída das folhas de uma planta que nasce exclusivamente na América do Sul: a Erythroxylon coca, conhecida como coca ou epadú, este último nome dado pelos índios brasileiros. A cocaína pode chegar até o consumidor sob a forma de um sal, o cloridrato de cocaína, o "pó", que é solúvel em água e, portanto, serve para ser aspirado ou dissolvido em água para uso endovenoso (injetada). Os principais efeitos da cocaína são a hiperatividade, falta de sono e de fome, euforia (excesso de alegria, de entusiasmo) descontrolada, secreções no nariz e boca amarga. A cocaína é a droga mais utilizada pelos usuários de drogas injetáveis. A longo prazo, se estragam as veias por conta das inúmeras picadas de seringas ou improvisos feitos de agulhas com canetas. A cocaína em pó destrói a mucosa do nariz, sendo que, no caso de uso contínuo, é comum que o nariz do usuário sangre.
    • LSD e Ecstasy - são drogas alucinógenas, de origem sintética, alteram a percepção do espaço e do tempo, provocando confusão mental. Entre seus efeitos, observam-se pupilas dilatadas, suores, tremores e alterações de comportamento. As "viagens" proporcionadas podem levar ao coma, parada cárdio-respiratória e ao suicídio. Outro evento comum em usuários dessas drogas são os flashbacks - dias, semanas ou meses após o uso, o corpo produz a mesma sensação de quando a droga foi usada, o que pode resultar em acidentes e constrangimentos.
    • Mescalina - é uma droga extraída de um cacto chamado "Peyote", que cresce nos solos áridos dos desertos do México e Estados Unidos. Também pode ser produzida em laboratório. Os efeitos levam o indivíduo a ter ilusões e alucinações cujos efeitos duram de 10 a 12 horas podendo causar danos irreparáveis ao cérebro. Pode provocar efeitos em 3 fases: fase de excitação, quando as ilusões e alucinações se fazem presentes; fase sensorial, manifestando-se a sedação e o relaxamento físico; fase de depressão, devido aos efeitos produzidos no sistema nervoso central. Os efeitos colaterais podem consistir em: boca seca, perda de apetite, reações musculares, cãibras, contrações oculares, espasmos dos maxilares, coceira no corpo e náuseas. Outro efeito secundário é a resistência a essas náuseas e desconforto pessoal. Algumas pessoas têm manifestado que com o uso prolongado, há uma alteração na personalidade do indivíduo.
    • Crack - é uma mistura de cocaína em forma de pasta não refinada com bicarbonato de sódio. É necessário o auxílio de algum objeto como um cachimbo para consumir a droga, muitos desses feitos artesanalmente com o auxílio de latas, pequenas garrafas plásticas, canudos ou canetas. Os pulmões conseguem absorver quase 100% do crack inalado. Os primeiros efeitos do crack são uma euforia plena que desaparece repentinamente depois de um curto espaço de tempo, sendo seguida por uma grande e profunda depressão. O crack também provoca hiperatividade, insônia, perda da sensação de cansaço, perda de apetite e conseqüente perda de peso e desnutrição. Com o tempo e uso constante da droga, surge um cansaço intenso, uma forte depressão e desinteresse sexual. O uso contínuo da droga pode causar ataque cardíaco e derrame cerebral graças a um considerável aumento da pressão arterial. Contrações no peito seguidas de convulsões e coma, também são causadas pelo consumo excessivo da droga. Os usuários de crack apresentam um comportamento violento, são facilmente irritáveis. Tremores, paranóia e desconfiança também são efeitos causados pela droga.

Usuários de drogas injetáveis e a AIDS

    • Muitos usuários compartilham agulhas e seringas, se expondo ao contágio de várias doenças, como: Hepatite, Malária, Dengue e AIDS.
    • O uso de drogas injetáveis está relacionado à cerca de 50% de todos os casos de AIDS nas regiões de São Paulo e Santa Catarina. No âmbito nacional 21,3% dos casos de AIDS registrados refere-se à categoria de usuários de drogas injetáveis.
    • Se você usa drogas injetáveis, não compartilhe seringas.

Tratamento

Além da vigilância e do acompanhamento da família, é necessário tratamento médico para o dependente de drogas. Após a avaliação física e mental feita por um profissional, dependendo de suas condições, o viciado pode ser encaminhado para:

  • Terapia individual.
  • Terapia familiar ou grupal.
  • Internação para desintoxicação.
  • Contato com centros de saúde mental ou grupos de ajuda.

Atenção: Em casos de overdose ou comportamento descontrolado, é necessário um tratamento hospitalar emergencial.

Uso de Drogas fora da Medicina

  • Anfetaminas - São substâncias contidas em moderadores de apetite receitados, no Brasil, para ajudar a perder peso. Como produzem sensações de energia e bem-estar, suprimindo a fadiga e o sono, têm sido consumidas ilegalmente, como estimulantes, principalmente por estudantes e caminhoneiros, para manter a vigília. Seu uso prolongado pode provocar alucinações e agressividade.
  • Benzodiazepinas - São drogas tranqüilizantes, prescritas, em dose pequenas, por médicos, para combater a ansiedade e a insônia. Seu uso deve ser rigorosamente controlado, pois podem causar dependência física. Muitos pacientes passam a usá-las abusivamente, devido ao seu efeito relaxante.

As chamadas drogas lícitas

A preocupação com o uso da maconha e da cocaína pelos jovens tem desviado a atenção de pais e educadores quanto à dependência de outras drogas que também causam danos à saúde:

  • Fumo - A nicotina é uma substância que leva à dependência. Aspirada pelo fumo do tabaco, 70 a 90% dos compostos químicos do cigarro permanecem nos pulmões, provocando malefícios respiratórios e cardiovasculares (bronquite, enfisema, câncer de pulmão e ataque do coração).
  • Álcool - A dependência do álcool é, hoje, considerada uma doença e deve ser tratada como tal, pois leva a sérios problemas individuais e sociais, além de prejudicar o corpo, aumentando o risco de contrair diversas doenças. O alcoólatra degrada-se física e moralmente, devido aos seus distúrbios de comportamento, perda de memória e de capacidade de julgamento.
  • Xaropes e remédios contra a dor - estes são prescritos pelos médicos em doses adequadas por conterem codeína e morfina, que podem causar dependência. Seu uso abusivo pode levar à letargia, convulsões, coma e, até á morte.