Orientações para a Semana Santa 2019

26/03/2019

DOMINGO DE RAMOS, NA PAIXÃO DO SENHOR

Entrada triunfal de Jesus em Jerusalém

Neste dia a Igreja recorda a entrada do Cristo em Jerusalém para realizar o seu ministério pascal. Por isto em todas as Missas comemora-se a entrada do Senhor: Na Missa principal, pela procissão ou pela entrada solene; em todas as outras; pela entrada simples. Em uma outra Missa celebrada com grande número de fiéis; pode-se repetir a entrada solene, mas não a procissão.

Cor: Vermelha

BÊNÇÃO E PROCISSÃO DE RAMOS

Primeira parte feita na comunidade São João Batista (ou na porta da igreja Matriz).

1 - Canto inicial - Hosana... (a escolha). O Padre entra de pluvial.

2 - Saudação inicial;

3 - Após a monição, abençoa os ramos e asperge-os com água benta; Missal pg. 221, n.6

4 - Em seguida, deita incenso no turíbulo e proclama o Evangelho;

5 - Homilia, breve (facultativa);

6 - O Padre recebe um ramo;

7 - Convida o povo para seguir em procissão - Missal pg. 225, (musicos recitam, o povo repete [veja pg. 2 deste roteiro] e então se canta):

  • Turiferário; Cruz (ornada com ramos) e os tocheiros (ao lado); Librífero (coroinha); Padre (segurando o ramo); Ministros e fiéis com os ramos;

OBJETOS NECESSÁRIOS:

1 - Local para a concentração, bênção dos ramos e procissão;

  • Pluvial; Evangeliário ou Lecionário; Turíbulo / Naveta; Cruz ornada com ramos; Tocheiros; Missal; Caldeirinha c/ água benta; Ramos para o Padre, ministros e para o povo; Som / microfone / etc...

FUNÇÕES:

  • Librifero; Tocheiros (2); Cruciferário; Turiferário; Naviculário;

MISSA

1 - Chegando à Igreja, subido o presbitério, o padre depõe o pluvial e reveste-se da casula que já está no altar.

2 - Em seguida, deita incenso no turíbulo e incensa o altar e vai para a Sédia onde recita a oração do dia. Missal pg. 230 n.21

3 - E prossegue a Missa conforme o costume;

ATENÇÃO MÚSICOS: NA ACLAMAÇÃO NÃO SE CANTA O ALELUIA, OLHAR A SUGESTÃO DE CANTO NO LECIONÁRIO.

Diz-se o Creio

Preces

Ofertório

Prefácio próprio da paixão, Missal pg. 231

Observação: Na proclamação da história da paixão, não há incenso nem velas. O sacerdote faz uma oração em silêncio. Ou seja, é necessário retirar as velas do ambão de forma que todos percebam o gesto da retirada.

OBJETOS NECESSÁRIOS:

  • Casula sobre o altar; demais objetos usados na 1ª parte; na credência: as oferendas (como de costume) para a Celebração Eucarística; lavabo, etc...

FUNÇÕES:

  • Permanecem as anteriores (1ª parte); Comentarista; Leitores: 1ª Leitura; Salmo; 2ª Leitura; Paixão: Narrador: Grupo: colocar no data-show; Dirigente: Padre; Leitor 1; Leitor 2; Quem irá preparar os ramos; também irá retirar os ramos da igreja no final do domingo; Oração da Assembléia.

OBSERVAÇÕES:

  • Além de ramos para ornamentar a igreja é necessário ter Ramos para o POVO.
  • Ficar atento ao que se leva para a procissão, o que for deve voltar para seu lugar de origem.
  • Preparar a Credência na São Pedro Fourier.
  • Ministros não precisam sair correndo da procissão para arrumar os cálices pequenos. Escale alguns para prepará-los na Matriz com calma!
  • A missa solene iniciará na Comunidade São João Batista.
  • Na São Joao Batista os Ministros do dia deverão preparar: Toalha do Altar, Velas (altar e ambão) e asperge.
  • Ficar atentos ao que os coroinhas trazem na procissão, pois as vezes não levam de volta aquilo que é da comunidade São João Batista

SUGESTÕES DE CANTOS, HINOS E ANTÍFONAS PARA A SEMANA SANTA (MISSAL ROMANO)

DOMINGO DE RAMOS

Inicia-se a procissão para a igreja onde será celebrada a Missa. À frente, vai o turiferário, caso se julgue oportuno o uso de incenso com prudencia; em seguida, o cruciferário com a cruz ornamentada, entre dois acólitos com velas acesas; depois, o sacerdote com os ministros, seguidos pelo povo com seus ramos. Durante a procissão, o coro e o povo entoam os seguintes cantos ou outros apropriados, pode-se também usar na leitura entre os cantos por vós escolhidos em forma de repetição, tipo ladainha.


Antífona 1

Os filhos dos hebreus

com ramos de oliveira

correram ao encontro

do Cristo que chegava;

cantavam e aclamavam:

Hosana nas alturas!

A antífona pode ser repetida entre

os versículos do salmo 23.

Salmo 23

- Ao Senhor pertence a terra e o que ela encerra, *

o mundo inteiro com os seres que o povoam;

- porque ele a tomou firme sobre os mares, *

e sobre as águas a mantém inabalável.

- "Quem subirá até o monte do Senhor, *

quem ficará em sua santa habitação?"

= "Quem tem mãos puras e inocente o coração,

quem não dirige sua mente para o crime, *

nem jura falso para o dano de seu próximo.

- Sobre este desce a bênção do Senhor*

e a recompensa de seu Deus e Salvador".

- "É assim a geração dos que o procuram, *

e do Deus de Israel buscam a face".

= "Ó portas, levantai vossos frontões!

Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, *

a fim de que o Rei da glória possa entrar!"

= Dizei-nos: "Quem é este Rei da glória?"

"É o Senhor, o valoroso, o onipotente, *

o Senhor, o poderoso nas batalhas!"

= "Ó portas, levantai vossos frontões!

Elevai-vos bem mais alto, antigas portas, *

a fim de que o Rei da glória possa entrar!"

= Dizei-nos: "Quem é este Rei da glória?"

"O Rei da glória é o Senhor onipotente, *

o Rei da glória é o Senhor Deus do universo!"

Antífona 2

Os filhos dos hebreus

no chão punham seus mantos.

Hosana, eles clamavam,

ao Filho de Davi!

Bendito o que nos vem

em nome do Senhor!

A antífona pode ser repetida

entre os versículos do salmo 46.

Salmo 46

- Povos todos do universo, batei palmas,*

gritai a Deus aclamações de alegria!

- Porque sublime é o Senhor, o Deus altíssimo, *

o soberano que domina toda a terra.

- Os povos sujeitou ao nosso jugo*

e colocou muitas nações aos nossos pés.

- Foi ele que escolheu a nossa herança, *

a glória de Jacó, seu bem-amado.

- Por entre aclamações Deus se elevou, *

o Senhor subiu ao toque da trombeta.

- Salmodiai ao nosso Deus ao som da harpa, *

salmodiai ao som da harpa ao nosso Rei!

- Porque Deus é o grande Rei de toda a terra, *

ao som da harpa acompanhai os seus louvores!

- Deus reina sobre todas as nações,*

está sentado no seu trono glorioso.

- Os chefes das nações se reuniram *

com o povo do Deus santo de Abraão,

- pois só Deus é realmente o Altíssimo, *

e os poderosos desta terra lhe pertencem!

Hino a Cristo Rei

Coro: Glória, louvor, honra a ti,

ó Cristo Rei, redentor.

Sobe a ti piedoso hosana,

dos pequenos o clamor!

Todos: Glória, louvor, honra a ti,

ó Cristo Rei, redentor

Sobe a ti piedoso hosana,

dos pequenos o clamor!

Coro: De Israel rei esperado:

de Davi ilustre filho;

o Senhor é que te envia,

ouve pois nosso estribilho.

Todos: Glória, louvor, honra a ti,

ó Cristo Rei, redentor!

Sobe a ti piedoso hosana,

dos pequenos o clamor!

Coro: Todos juntos te celebram,

quer na terra ou nas alturas;

cantam todos teus louvores,

anjos, homens, criaturas.

Todos: Glória, louvor, honra a ti,

ó Cristo Rei, redentor!

Sobe a ti piedoso hosana,

dos pequenos o clamor!

Coro: Veio a ti o povo hebreu,

com seus ramos, suas palmas;

também hoje te trazemos

nossos hinos, nossas almas.

Todos: Glória, louvor, honra a ti,

ó Cristo Rei, redentor!

Sobe a ti piedoso hosana,

dos pequenos o clamor!

Coro: Festejam a tua entrada,

que ao Calvário conduzia;

mas agora que tu reinas

maior é nossa alegria.

Todos: Glória, louvor, honra a ti,

ó Cristo Rei, redentor!

Sobe a ti piedoso hosana,

dos pequenos o clamor!

Coro: Agradaram-te os seus hinos,

nossos hinos igualmente;

o que é bom tu sempre acolhes,

Rei bondoso, Rei clemente.

Todos: Glória, louvor, honra a ti,

ó Cristo Rei, redentor!

Sobe a ti piedoso hosana,

dos pequenos o clamor!

Ao entrar na igreja, canta-se o responsório seguinte, ou outro canto que se refira à entrada do Senhor em Jerusalém.

Ouvindo o povo que Jesus entrava,

logo o foi encontrar;

com ramos de palmeira, ao que chegava

puseram-se a saudar.

Os filhos dos hebreus Jesus saudavam

com suas vozes puras.

A vida ressurgida anunciavam:

Hosana nas alturas!

Chegando ao altar, o sacerdote o saúda e, se for oportuno, o Incensa. Dirige-se à cadeira (tira a capa e veste a casula) e, omitindo os ritos iniciais, diz a oração do dia da missa, prosseguindo como de costume.


Tríduo PASCAL

A partir do século IV iniciou-se a celebração do Sacratíssimo Tríduo do Senhor crucificado, sepultado e ressuscitado, conforme nos relata Santo Agostinho. Santo Ambrósio de Milão já usara a expressão Tridum Sacrum. A expressão Tríduo Pascal começa a ser usada a partir de 1930. A celebração Eucarística da noite da Quinta-feira Santa e as outras cerimônias, até a Vigília Pascal, formam um conjunto de unidade do mistério pascal que levou o Papa Leão Magno a definir a noite de Páscoa como Pascale Sacramentum.

QUINTA-FEIRA SANTA - CEIA DO SENHOR

Solene Ceia do cordeiro pascal, lava-pés.

A Quinta-feira Santa é um dia de Alegria, Amor e Gratidão. Recorda-se o exemplo de Jesus que quis lavar os pés dos seus discípulos, dando-nos o testemunho de serviço e humildade. Recorda-se principalmente a celebração da Ceia do Senhor, na qual Ele se dá como Pão da Vida e Vinho da Salvação. Foi nessa ceia de despedida que Ele nos deixou o Sacerdócio Ministerial, para a perpetuação de seu Corpo e Sangue no meio de nós como presença de compromisso, partilha e missão.

Cor: Branca

MISSA DA CEIA DO SENHOR

1ª Parte

1 - Comentário, procissão de entrada sairá do Salão Paroquial. Haverá então a entrada solene dos Santos Óleos. Três casais escolhidos pela Pastoral Familiar trará os óleos dos - Catecúmenos / Enfermos / Crisma; nesta ordem; logo após ato penitencial e liturgia da Palavra como de costume;

2 - Enquanto se canta o Glória, tocam-se os SINOS da Igreja (que depois serão tocados somente na Missa da Vigília); atenção coroinhas, lembre a pessoa que fica no SOM.

2ª Parte

3 - Após a homilia, inicia-se o lava-pés (enquanto se canta): OS 12 "APÓSTOLOS" DEVEM ORGANIZAR ANTES ONDE IRÃO SENTAR E GUARDAR TUDO NO TÉRMINO DA MISSA. Eles entram na procissão de entrada.

O Padre depõe a casula, cinge-se com um gremial, aproxima-se das pessoas que terão os pés lavados, deita-lhes água nos pés e enxuga-os (ajudado pelos coroinhas).

4 - Após lavar os pés de todos (os 12), o Padre volta para a Sédia, lava as mãos e retoma a casula; os 12 devem estar debaixo das cruzes da dedicação.

Omite-se o Creio

5 - Oração da Assembleia;

6 - Prossegue a Missa como de costume (até a comunhão); Prefácio da Santíssima Eucaristia I Missal pg. 439 Observação: estar atento aos comunicantes próprios e à pg. 250 do Missal.

Neste dia pede-se que os sinos sejam tocados solenemente no momento do Glória e após serem silenciados durante toda a Missa,

3ª Parte

7 - Terminada a Comunhão, reza-se a oração depois da Comunhão;

8 - O Padre, de pé diante do altar, depõe a casula e recebe o pluvial, impõe incenso no turíbulo, depois:

  • ajoelha-se (genuflexório), incensa o Santíssimo Sacramento;
  • recebe o véu de ombros, sobe ao altar, genufleta, incensa o Santíssimo Sacramento, recebe-O desnuda-se o altar (ministros) e inicia-se o traslado para a Capela da Reposição (salão). Alguns ministros cobrem as imagens com pano branco.

Procissão para Capela da Reposição (devidamente preparada pelos ministros no salão).

  • Turiferário; Cruz; Padre e ministros c/ o Santíssimo Sacramento (tochas); ministros; fiéis

9 - Ao chegar à Capela, depõe o Santíssimo Sacramento no Tabernáculo preparado e deixa a porta aberta.

10 - Enquanto se canta o Tão Sublime Sacramento; tira o véu de ombro; deita incenso no turíbulo e de joelhos (genuflexório na capela de reposição) incensa o Santíssimo Sacramento;

11 - Todos se levantam, fecha-se a porta do Tabernáculo, todos genufletem e permanecem com o Povo, para a adoração até as 00h00.

OBJETOS NECESSÁRIOS:

  • Para a Missa:
  • Cruz / Livro / Turíbulo / Naveta / Tochas; Hóstia suficiente para o dia seguinte (ministros, faça a contagem da quantidade de particulas a serem consumidas, não exagerem, nem deixem faltar); usar as 3 ambulas grandes. As oferendas (como de costume) para a Celebração Eucarística; lavabo, etc. . .
  • Para o Lava-pés:
  • 12 lugares já reservados (cadeiras do salão que ficarão em frente as 12 cruzes na igreja, os 12 previamente organizarão as cadeiras, assim como vestimentas, etc); Gremial de Linho já existente é por conta dos ministros;
  • Bacia / Jarro com água; Toalhas; Lavabo extra; (ministros e coroinhas)
  • Para a Trasladação:
  • Pluvial; Véu de ombros; Cruz / tocheiros/ etc ; Turíbulo; Custódia ou Cibório grande
  • Na Capela (ou local da REPOSIÇÃO): SalãoLocal devidamente ornamentado (flores / tabernáculo etc.); Genuflexório; Sacrário Grande ("arca da aliança"); 3 ambulas grandes (ministros).
  • FUNÇÕES:
  • Librífero; Tocheiros cruz (2); Cruciferário; Turiferário (2); Naveteiro; Comentarista; Leitores: 1ª Leitura; Salmo; 2ª Leitura; "12 apóstolos"; Paramentação (gremial/Casula); Lava-pés: Lavabo; Oração da Assembleia; Preparação do Altar; Genuflexório; Pluvial / véu de ombros; Trasladação; Desnudamento do Altar e cobrimento das cruzes.

Neste dia é louvável que a comunhão seja a consagrada na própria Missa e esta seja distribuída aos fiéis.Faremos a distribuição em cima do presbitério encostado ao altar.

OBSERVAÇÕES:

Comunhão: devemos entregar a comunhão aos leigos que foi consagrada nessa missa (porque é o dia da Instituição da Eucaristia)

Consagrar:

1 ambula grande cheia, se a ambula do sacrário estiver cheia, se não, 1 ambula grande mais a quantidade para encher a ambula do sacrário.

6 ambulas pequenas (1 para cada Ministro e 1 para o Padre que distribuirá a comunhão aos Ministros e para a equipe de liturgia no presbitério)

Separar uma ambula grande e deixar na credencia VAZIA pra colocar as partículas consagradas que vierem da casa das irmãs Carmelitas e da Casa São Pedro Fourier, as da Comunidade São Joao Batista e as que sobrarem das ambulas pequenas.

Assim, descerá para a capela da Reposição apenas 3 Ambulas Grandes.

Antes de descer para a Capela da Reposição separar:

3 Ministros para descer com duas ambulas grandes.

2 Ministros para retirar a toalha do Altar (Ministros do dia. Observação: primeiro deve retirar com muita calma e tranquilidade o corporal e depois a toalha).

2 Ministros para retirar os arranjos de flores do altar (Ministros do dia).

4 Ministros para pegar os arranjos de flores (Ambão, Nossa Senhora, São Pedro Fourier e Sacrário)

4 Ministros para retirar as velas. (2 velas do Ambão e 2 velas do Altar)

Se acaso tiver mais de 6 arranjos de flores - Cada Ministro deverá ficar responsável por um arranjo.

Quando se preparar para descer; 2 Ministros do dia posiciona-se atrás do padre com as Ambulas Grandes. IMEDIATAMENTE, despe o Altar com muita calma e tranquilidade (Corporal e Toalha); Flores do Altar e todos os arranjos e as velas (Altar e Ambão).

As velas descerão com o suporte.

No final os 12 devem retirar as cadeiras da igreja onde ficaram os 12 "apóstolos" guardando o máximo silêncio.


SUGESTÕES DE CANTOS, HINOS E ANTÍFONAS PARA A SEMANA SANTA (MISSAL ROMANO)

QUINTA-FEIRA SANTA

Após a homilia, na qual se focalizam os principais mistérios celebrados por esta Missa (a instituição da Sagrada Eucaristia e do sacerdócio, e o mandamen­to do Senhor sobre a caridade fraterna), procede-se ao lava-pés, se razões pastorais o aconselharem. Os homens escolhidos já estarão em lugar conveniente ou seja em frente as 12 cruzes. O sacerdote (retirando a casula, se necessário) de dalmática ou não a exemplo do Papa Francisco aproxi­ma-se de cada um, lavando-lhe e enxugando-lhe os pés, enquanto se realiza o lava-pés, cantam-se algumas das seguintes antífonas ou outros cantos apropriados.


Musicos podem recitar, o povo repete e então cantar.


Primeira antífona (Jo 13,4.5.15)

Jesus ergueu-se da ceia,

jarro e bacia tomou;

lavou os pés aos discípulos,

este exemplo hoje deixou.

Segunda antífona (Jo 13,6.7.8)

Aos pés de Pedro inclinou-se.

- Ó Mestre, não, por quem és!

- Não terás parte comigo,

se não lavar os teus pés.

Terceira antífona (Jo 13,14)

- És o Senhor, Tu és o Mestre,

os meus pés não lavarás!

- O que ora faço não sabes,

mas depois compreenderás.

Quarta antífona (Jo 13,35)

Se, vosso Mestre e Senhor,

vossos pés hoje lavei,

lavai os pés uns aos outros:

eis a lição que vos dei.

Quinta antífona (Jo 13,34)

Se vos amais uns aos outros,

lhes disse o Filho de Deus:

terá o mundo certeza

que sois discípulos meus.

Sexta antífona (1Cor 13,13)

Eu vos dou novo preceito,

deixo, ao partir, nova lei:

que vos ameis uns aos outros,

assim como eu vos amei.

Sétima antífona (1Cor 13,13)

Fé, esperança e caridade

sempre em vós hão de habitar.

A maior é a caridade

porque nunca há de passar.

Logo após o lava-pés ou, onde foi omitido, após a homilia, faz-se a oração dos fiéis.

Omite-se o Creio.

Liturgia eucarística

Atenção Liturgia e Músicos

Estes textos seguintes pode ser declamado antes do canto do ofertório, durante ou mesmo colocar uma melodia, a escolha dos cantores.

SUGIRO aos músicos declamar e pedir para as pessoas responderem antes do canto do ofertório

Antífona: Onde o amor e a caridade, Deus aí está.

Congregou-nos num só corpo o amor de Cristo;

exultemos, pois, e nele jubilemos.

Ao Deus vivo nós temamos mas amemos;

e sinceros, uns aos outros, nos queiramos.

Antífona: Onde o amor e a caridade, Deus aí está.

Todos juntos num só corpo congregados,

pela mente não sejamos separados.

Cessem lutas, cessem rixas, dissensões, mas esteja em nosso meio Cristo Deus!

Antífona: Onde o amor e a caridade, Deus aí está.

Junto um dia com os eleitos nós vejamos

vossa face gloriosa que adoramos.

Alegria que é imensa, que enche os céus:

ver por toda a eternidade Cristo Deus. Amém.


Transladação do Santíssimo Sacramento

Terminada a oração, o sacerdote, de pé ante o altar, põe incenso no turíbulo e, ajoelhando-se, incensa três vezes o Santíssimo Sacramento. Rece­bendo o véu umeral, toma o cibório e o recobre com o véu. Forma-se a procissão, para conduzir o Santíssimo Sacramento, com tochas e incenso, pela igreja até o local da reposição, preparado numa capela devidamente ornada. Durante a procissão, canta-se Vamos todos (exceto as duas últimas estrofes) ou outro canto eucarístico. Estes textos seguintes pode ser declamado antes da Transladação durante ou mesmo colocar uma melodia igual a do tão tradicional Tão Sublime Sacramento, a escolha dos cantores. Há também a possibilidade de ser feito por repetição, tipo Ladainha.


1. Vamos todos louvar

juntos o mistério do amor,

pois o preço deste mundo

foi o sangue redentor,

recebido de Maria,

que nos deu o Salvador.

2. Veio ao mundo por Maria,

foi por nós que ele nasceu.

Ensinou sua doutrina,

com os homens conviveu.

No final de sua vida,

um presente ele nos deu.

3. Observando a Lei mosaica,

se reuniu com os irmãos.

Era noite. Despedida.

Numa ceia: refeição.

Deu-se aos doze em alimento,

pelas suas próprias mãos.

4. A Palavra do Deus vivo

transformou o vinho e o pão

no seu sangue e no seu corpo

para a nossa salvação.

O milagre nós não vemos,

basta a fé no coração.


Quando a procissão chega ao local da reposição, o sacerdote deposita o cibório no tabernáculo. Colocado o incenso no turíbulo ajoelha-se e incensa o Santíssimo Sacramento enquanto se canta o

Tão sublime sacramento.

Em se­guida, fecha-se o tabernáculo.


5. Tão sublime sacramento

adoremos neste altar,

pois o Antigo Testamento

deu ao Novo seu lugar.

Venha a fé por suplemento

os sentidos completar.

6. Ao Eterno Pai cantemos

e a Jesus, o Salvador.

Ao Espírito exaltemos,

na Trindade eterno amor.

Ao Deus Uno e Trino demos

a alegria do louvor.

Após alguns momentos de adoração silenciosa, o sacerdote e os ministros fazem genuflexão e voltam à sacristia. Os fiéis sejam exortados a adorarem o Santíssimo, durante algum tempo da noite, segundo as circunstâncias do lugar. Contudo, até a meia-noite. No outro dia a adoração pode e deve ser discreta e silenciosa.

Pedimos sugestões de músicas para a adoração ao Santíssimo Sacramento:

SEXTA-FEIRA SANTA -CELEBRAÇÃO DA PAIXÃO DO SENHOR

Dia de jejum e abstinência - Jesus morre crucificado

Hoje não celebramos a Eucaristia, porque a Igreja tem esta longa tradição de não celebrar a Missa na Sexta-feira Santa. Nós nos reunimos para comemorar e reviver a Paixão do Senhor. A Igreja contempla Cristo que, morrendo, ofereceu-se como vítima ao Pai, para libertar toda a humanidade do pecado e da morte. Nós adoramos nesta celebração o mistério da nossa salvação e dispomos o nosso coração na fé e no arrependimento, para que possamos ser curados e santificados pelo sacrifício de Cristo.

Cor: Vermelha ou Preta

1ª Parte - A PAIXÃO PROCLAMADA

1 - Procissão de entrada (em silêncio ou seja não deve haver nenhum comentário inicial);

2 - O Padre prostra-se de rosto por terra e os demais se ajoelham;

3 - O Padre vai para a Sédia e reza a Oração da Coleta; (sem o convite do oremos), pg. 254 MR

4 - Inicia-se a Liturgia da Palavra

Evangelho: Narração da história da Paixão; (músicos olhem no Missal Romano e vejam qual canção é indicada para a Proclamação da Paixão). Pregação/Sermão/Homilia

2ª Parte - PAIXÃO INVOCADA

Após a homilia, um leitor (previamente escolhido pela equipe de LITURGIA, do Ambão, recita as fórmulas invitatórias das orações. ("ajoelhemo-nos e levantemo-nos" é opcional, não iremos fazer); pg. 255 MR

3ª Parte - PAIXÃO VENERADA

1 - O Padre (com coroinhas), apanha a cruz GRANDE coberta COM PANOS VERMELHOS (pré preparada), com mais dois coroinhas que levam os castiçais, e vão para o presbitério;

2 - O Padre começa por descobrir-lhe a parte superior, dizendo: "Eis o lenho da Cruz..." O povo responde "Vinde adoremos" (3x), OS MUSICOS PUXAM O REFRÃO;

3 - Em seguida, a cruz é colocada na entrada do presbitério pelo Padre, onde os acólitos permanecem com os castiçais;

4 - Para a adoração da cruz, (enquanto se canta) primeiramente se dirige o Padre (sem casula e sapatos), o padre, os ministros, coroinhas, equipe de liturgia e os demais fiéis:

  • faz-se genuflexão e beija a cruz

5 - Após a adoração, a cruz é levada pelos coroinhas para um lugar apropriado (salão paroquial) juntamente com as velas (coroinhas: deixar uma mesa preparada no salão);

NESTE DIA a equipe de acolhida FAZ A COLETA PARA OS LUGARES SANTOS, sacos azuis.

A EQUIPE DE OFERTÓRIO FICA em frente aos corredores COM OS CESTOS.

A equipe de liturgia avise da destinação desta coleta: Lugares Santos

4ª Parte - A PAIXÃO COMUNGADA

1 - Enquanto o padre e/ou os ministros vão transladar a Eucaristia, estende-se sobre altar, a toalha pequena, o corporal e o missal;

2 - Colocada a píxide (âmbula) sobre o altar, o Padre incita o povo à oração do Pai Nosso e, em seguida, distribui a Comunhão, (segue conforme o costume). pg. 267 MR

NÃO HÁ ORAÇÃO PELA PAZ NEM CORDEIRO

3 - Após a trasladação da Eucaristia, segue a oração pós-comunhão; (após a comunhão cada ministro já desce direto para a capela da reposição, acompanhado pela vela levada pelos coroinhas).

4 - Por fim, o Padre ora sobre o povo e todos se retiram em silêncio para o estacionamento e da-se início então à VIA SACRA até a casa São Pedro Fourier. (Via Sacra da CAMPANHA DA FRATERNIDADE).

Após a Via Sacra a Cruz será coberta com um pano roxo transparente (voal) e colocada no chão do presbitério da Matriz para veneração silenciosa.

Observação: Não se usa incenso e luzes (velas);

OBJETOS NECESSÁRIOS:

  • Na sala do primeiro andar: Cruz coberta com véu (vermelho); Dois castiçais com velas;
  • No Presbitério: Lecionários; Missal; Corporal; toalha pequena.
  • Na Capela: Cruz; 2 Castiçais;

FUNÇÕES:

  • Tocheiros cruz (2); Comentarista, só para orientar na hora da Coleta para os Lugares Santos na Adoração da Cruz.
  • Insisto, NÃO há neste dia comentário inicial; Leitores: 1ª Leitura; Salmo; 2ª Leitura; Paixão: Narrador; Grupo: colocar no data show; Dirigente: Padre; Leitor 1; Leitor 2; Oração da Assembleia; Preparação do Altar; Transladação;

OBSERVAÇÕES:

Escalar 3 Ministros para distribuir a Comunhão Eucarística:

Preparar de manhã, porque a igreja ficará fechada e só abrirá no início da CELEBRAÇÂO DA PAIXÃO.

Na credência da Igreja colocar: toalha credência, 1 Corporal, 1 sanguíneo Padre, 1 sanguíneos para os Ministros do dia, água para purificar as mãos e 1 Manustérgio.

Credência da Capela da Reposição: toalha credência, água para purificar as mãos, 1 Manustérgio; 2 sanguíneos, 1 corporal.

Quando descer e como descer: Descerão 3 Ministros do dia, após o Pai Nosso (trarão as 3 âmbulas grandes). Descerá 3 coroinhas ou ministros com as velas para acompanhar Jesus Eucarístico.

O padre distribuirá a comunhão somente para os ministros e equipe de celebração.

Depois da comunhão, levar as ambulas grandes para a Capela da Reposição, junto com os coroinhas ou ministros que acompanharão Jesus com as velas.

Durante a comunhão atrás de cada ministro deve estar um coroinha ou um ministro com uma vela acesa que subiu da capela de reposição e outro com a tampa da ambula grande (ministro ou Coroinha).

Acabaram as pessoas na sua procissão de comunhão, o ministro que está com a tampa fecha a ambula, e o ministro desce imediatamente acompanhado pela vela, sem esperar as outras ambulas, somente na capela de reposição coloca as partículas consagradas em apenas duas ambulas, isto é, se for necessário.

Não tenha cruz ao lado do altar.

NESTE DIA NADA DE DECORAÇÃO - DIA FUNEBRE

SUGESTÕES DE CANTOS, HINOS E ANTÍFONAS PARA A SEMANA SANTA (MISSAL ROMANO)

SEXTA-FEIRA SANTA

Para a adoração da cruz aproximam-se, como em procissão, o sacerdote, o clero e os fiéis, exprimindo sua reverência pela genuflexão simples ou outro sinal apropriado, conforme o costume da região, por exemplo, beijando a cruz. Durante a adoração cantam-se a antífona: Adoramos, Senhor, vosso ma­deiro; os Lamentos do Senhor, ou outros cantos apropriados, sentando-se todos aqueles que já fizeram a adoração. Deve-se apresentar à adoração do povo uma só e mesma cruz. Se, por causa da grande quantidade de fiéis, não for possível aproximarem-se indivi­dualmente, o sacerdote toma a cruz e, de pé diante do altar, convida o povo em breves palavras a adorá-la em silêncio, mantendo-a erguida por um momento. Terminada a adoração, a cruz é levada para o altar, em seu lugar habitual (deitaremos a Cruz no chão). Os castiçais acesos são colocados perto da cruz.

Estes textos seguintes podem ser declamados durante a ADORAÇÃO DA CRUZ, pode-se usar os cantos tradicionalmente conhecidos e declamar entre eles em forma de Ladainha ou mesmo colocar uma melodia, a escolha dos cantores.


Cantos para a adoração da cruz: pg. 261 MR

As partes do coro ou do solista

são indicadas pelo número 1.

As partes recitadas ou cantadas por todos,

pelos números 1 e 2.

1 e 2 Antífona

Adoramos, Senhor, vosso madeiro;

vossa ressurreição nós celebramos.

Veio alegria para o mundo inteiro

por esta cruz que hoje veneramos!

1 Salmo 66,2

Deus tenha pena de nós e nos abençoe,

faça brilhar sobre nós a sua face!

1 e 2 Antífona

Adoramos, Senhor, vosso madeiro;

vossa ressurreição nós celebramos.

Veio alegria para o mundo inteiro

por esta cruz que hoje veneramos!

Lamentos do Senhor - I

1 - Que te fiz, meu povo eleito?

Dize em que te contristei!

Que mais podia ter feito,

em que foi que eu te faltei?

1 e 2 - Deus santo,

Deus forte,

Deus imortal,

tende piedade de nós!

1 - Eu te fiz sair do Egito

com maná te alimentei;

preparei-te bela terra,

tu, a cruz para o teu rei!

1 e 2 - Deus santo,

Deus forte,

Deus imortal,

tende piedade de nós!

1 - Bela vinha eu te plantara,

tu plantaste a lança em mim;

águas doces eu te dava,

foste amargo até o fim!

1 e 2 - Deus santo,

Deus forte,

Deus imortal,

tende piedade de nós!

Lamentos do Senhor - II

1 - Flagelei por ti o Egito,

primogênitos matei;

tu porém me flagelaste,

entregaste o próprio rei!

1 e 2 - Deus santo,

Deus forte,

Deus imortal,

tende piedade de nós!

1 - Eu te fiz sair do Egito,

afoguei o Faraó;

aos teus sumos sacerdotes

entregaste-me sem dó!

1 e 2 - Deus santo,

Deus forte,

Deus imortal,

tende piedade de nós!

1 - Eu te abri o mar Vermelho,

tu me abriste o coração;

a Pilatos me levaste,

eu levei-te pela mão!

1 e 2 - Deus santo,

Deus forte,

Deus imortal,

tende piedade de nós!

1 - Pus maná no teu deserto,

teu ódio me flagelou;

fiz da pedra correr água,

o teu fel me saturou!

1 e 2 - Deus santo,

Deus forte,

Deus imortal,

tende piedade de nós!

1 - Cananeus por ti batera,

bateu-me uma cana à toa;

dei-te cetro e realeza,

tu, de espinhos a coroa!

1 e 2 - Deus santo,

Deus forte,

Deus imortal,

tende piedade de nós!

1 - Só na cruz tu me exaltaste,

quando em tudo te exaltei;

por que à morte me entregaste?

Em que foi que eu te faltei?

1 e 2 - Deus santo,

Deus forte,

Deus imortal,

tende piedade de nós!

Hino

1 e 2 - Estribilho

Cruz fiel, árvore nobre,

que flor e fruto nos dais!

Árvore alguma se cobre

das mesmas pompas reais.

Lenho que o sangue recobre,

ao Homem Deus sustentais!

1 - Cantemos hoje em memória

da luta que houve na cruz,

este sinal da vitória,

que todo um povo conduz;

nela, coberto de glória,

morrendo, vence Jesus!

1 e 2 - Estribilho

Cruz fiel, árvore nobre,

que flor e fruto nos dais!

Árvore alguma se cobre

das mesmas pompas reais.

Lenho que o sangue recobre,

ao Homem Deus sustentais!

1 - O Criador, apiedado

da maldição que ocorreu

quando, do lenho vetado,

Adão o fruto mordeu,

para curar o pecado

um outro lenho escolheu.

1 e 2 - Estribilho

Cruz fiel, árvore nobre,

que flor e fruto nos dais!

Árvore alguma se cobre

das mesmas pompas reais.

Lenho que o sangue recobre,

ao Homem Deus sustentais!

1 - Que um lenho ao outro vencesse,

com arte Deus decretou,

e a salvação nos viesse

pela cruz que ele abraçou,

de novo a vida irrompesse

onde o pecado brotou. 1 e 2 - Estribilho

Cruz fiel, árvore nobre,

que flor e fruto nos dais!

Árvore alguma se cobre

das mesmas pompas reais.

Lenho que o sangue recobre,

ao Homem Deus sustentais!

1 - Quando, do tempo sagrado,

a plenitude chegou,

pelo seu Pai enviado,

o Filho ao mundo baixou:

de um corpo a Deus consagrado

a nossa carne tomou.

1 e 2 - Estribilho

Cruz fiel, árvore nobre,

que flor e fruto nos dais!

Árvore alguma se cobre

das mesmas pompas reais.

Lenho que o sangue recobre,

ao Homem Deus sustentais!

1 - Na manjedoura ele chora,

o rei eterno dos céus;

enfaixa-o Nossa Senhora,

que pobres panos os seus!

Por frágeis laços embora,

cativo o corpo de Deus.

1 e 2 - Estribilho

Cruz fiel, árvore nobre,

que flor e fruto nos dais!

Árvore alguma se cobre

das mesmas pompas reais.

Lenho que o sangue recobre,

ao Homem Deus sustentais!

1- Já tendo o tempo cumprido

da sua vida mortal,

só pelo amor impelido,

numa oblação sem igual,

na dura cruz foi erguido,

nosso Cordeiro pascal!

1 e 2 - Estribilho

Cruz fiel, árvore nobre,

que flor e fruto nos dais!

Árvore alguma se cobre

das mesmas pompas reais.

Lenho que o sangue recobre,

ao Homem Deus sustentais!

1- Cravam-lhe os cravos tão fundo,

seu lado vão traspassar;

já corre o sangue fecundo,

a água põe-se a brotar:

estrelas, mar, terra e mundo,

a tudo podem lavar!

1 e 2 - Estribilho

Cruz fiel, árvore nobre,

que flor e fruto nos dais!

Árvore alguma se cobre

das mesmas pompas reais.

Lenho que o sangue recobre,

ao Homem Deus sustentais!

1 - Inclina, ó árvore, os ramos,

acolhe o teu Criador;

para o que em ti nós pregamos,

do tronco abranda o rigor:

para o rei que hoje adoramos

sejas um leito de amor!

1 e 2 - Estribilho

Cruz fiel, árvore nobre,

que flor e fruto nos dais!

Árvore alguma se cobre

das mesmas pompas reais.

Lenho que o sangue recobre,

ao Homem Deus sustentais!

1 - Só a ti isto foi dado:

ao Salvador sustentar

e a todos que hão naufragado

ao porto eterno levar,

pois o Cordeiro, imolado,

quis o teu tronco sagrar.

1 e 2 - Estribilho

Cruz fiel, árvore nobre,

que flor e fruto nos dais!

Árvore alguma se cobre

das mesmas pompas reais.

Lenho que o sangue recobre,

ao Homem Deus sustentais!

Nunca se omite a conclusão.

1 e 2 - Estribilho

Louvor e glória ao Deus trino,

fonte de luz, sumo bem.

Ao Pai e ao Filho divino

louvor eterno convém.

Ergamos todos um hino

ao que de ambos provém. Amém.



SÁBADO SANTO - Vigília PASCAL

Noite clara mais que o dia! Assim canta a Igreja na Vigília Pascal, mãe de todas as celebrações da Igreja. Com a acender do Círio Pascal, na noite escura, dá-se início à celebração. Assim a ressurreição de Jesus dentre os mortos ilumina o mundo com a serenidade de sua luz. Dia de silêncio e meditação
A celebração da Vigília tem quatro partes:
Liturgia da Luz, Liturgia da Palavra, Liturgia Batismal, Liturgia Eucarística.

1ª Parte - Bênção do Fogo e preparação do círio

Observação: A Igreja deve estar com suas luzes todas apagadas

E VAZIA, SÓ ENTRA QUANDO O PADRE MANDAR.

1 - O Padre de Pluvial dirige-se até a fogueira no Estacionamento maior, onde o povo já está concentrado;

2 - Saúda o povo pg. 271 MR

3 - O Padre abençoa o fogo (coloca-se carvão no turíbulo);

4 - Padre faz as incisões e crava os grãos de incenso no Círio Pascal; (acólito segura o Círio). Fazer o furo antes.

5 - O Padre acende o Círio Pascal e deita incenso no turíbulo e incensa o Círio; os coroinhas devem preparar uma aste para trazer o fogo da fogueira para acender o círio.

6 - Inicia-se a procissão;

Observação: Não se leva cruz processional, nem tochas!

PROCISSÃO

  • Turiferário; Padre (com o Círio); Ministros, fiéis, etc.

1 - No "Hall" da escadaria da Igreja, o Padre para, ergue o Círio e canta: "Eis a luz de Cristo" (os fiéis próximos acendem as suas velas). No segundo "Hall" da escadaria da Igreja repete o canto; o Padre avisa e só aí a Igreja é aberta, ele entra, seguido por todo o cortejo; enquanto o povo entra e se coloca em seus lugares e os ministros acendem as velas da dedicação. Só então no presbitério diante do altar repete o canto; "Eis a luz de Cristo" acende-se então as luzes presbitério e logo após de toda igreja.

2 - Em seguida, o Padre coloca o Círio na base (suporte); pg. 274 MR

PRECÔNIO PASCAL

1 - O Padre deita incenso no turíbulo, incensa o Círio e o livro, dirige-se ao Ambão para proclamar (ou cantar) o Precônio (todos permanecem em pé de velas acesas);

2ª Parte - Liturgia da Palavra

1 - Terminado o precônio, todos apagam as velas e o Padre, sentado, faz uma breve monição introdutória à liturgia da Palavra. pg. 279 MR

2 - Serão sete leituras do Antigo Testamento, intercaladas por um Salmo que será encenado, após este, o Padre recita a oração; pg. 282 MR

Cada salmo deve ser entoado por uma pessoa diferente, cabe a banda do dia convidar, ensaiar e por em prática

3 - Após a última leitura do Antigo Testamento, o salmo encenado e a oração:

  • O Padre entoa o hino "Glória a Deus nas Alturas" (tocam-se os sinos da torre e o de mão). Enquanto os músicos entoa o Hino de Louvor (Glória), introduzimos a imagem do Ressuscitado (que sai da sacristia) na escadaria da igreja no lugar onde normalmente fica o Crucificado.

4 - O Padre recita a oração do dia; pg. 283 MR

5 - Prossegue a leitura da Epístola

6 - O Padre de pé, entoa solenemente o Aleluia;

7 - Em seguida, o salmista recita o salmo com Aleluia;

8 - Após, o Padre deita incenso no Turíbulo, dá a bênção e dirige-se ao ambão para a proclamação do Evangelho; não há velas, somente o CÍRIO (a aclamação do Evangelho deve conter muitos aleluias)

9 - Homilia;

3ª Parte- Liturgia Batismal - extraído do RICA (Rito da Iniciação Cristã de Adultos)

1 - O Padre exorta o povo e se dirige com os catecúmenos à Pia Batismal (coroinhas: ver a escada para subir na fonte batismal) enquanto se canta a ladainha;

se houver batismo, apresenta os catecúmenos... Haverá.

Procissão com o círio: (enquanto se canta a ladainha que está no Missal Romano)

2 - Terminada a ladainha, o Padre, abençoa a água e em seguida, mergulha por três vezes o Círio Pascal na pia;

3 - Se houver a administração do Sacramento do Batismo, segue conforme o costume: O Padre senta-se e interroga os eleitos (e todos os participantes na assembleia) e em seguida os batiza.

Observação: Usa-se o Ritual do Batismo e o RICA (Rito de Iniciação Cristã de Adultos)

Também haverá Iniciação à vida Eucarística (primeira comunhão) e Crisma.

É necessário separar os primeiros lugares para os Catecúmenos. (catequistas)

Ministros: Não se esquecer de deixar as chaves dos santos óleos no seu devido lugar.

RENOVAÇÃO DAS PROMESSAS DO BATISMO

1 - Terminada a bênção da água, o Padre em pé, dirige-se ao povo conforme o rito próprio; da RENOVAÇÃO DAS PROMESSAS BATISMAIS, com as velas acesas (reacender as velas)

2 - Em seguida, lhe é apresentado a caldeirinha com água benta, e asperge o povo; (enquanto isso se canta um canto apropriado).

3 - Após, o Padre regressa à Sédia e introduz a oração dos fiéis;

"OMITE-SE" O CREIO que já foi feito na renovação das promessas batismais

4ª Parte - Liturgia Eucarística; pg. 290 MR - (prefácio pág. 421)

  • (enquanto entoa-se o cântico da apresentação das oferendas, o Padre depõe o pluvial, recebe a casula e segue à apresentação conforme o costume)

Observação: estar atento aos comunicantes próprios - Oração Eucarística I

RITOS FINAIS

Bênção solene, etc. pg. 522 MR

  • Despedida com Aleluia; LOUVOR, cuidado com o horário. (Jovens: Não trazer objetos que fazem barulho, tipo apitos, buzinas, etc. Limpar a Igreja na saída).

OBJETOS NECESSÁRIOS:

  • Para a bênção do Fogo Novo:
  • Uma fogueira (coroinhas); Bandeja com os grãos de incenso e o estilete; Círio Pascal e cravos; Utensílio adequado para acender os Círios; Lâmpada para o Missal; Vela para o Padre e os demais; Turíbulo / Naveta; Missal; Utensílio para apanhar as brasas (pinça para trazer o fogo); Caldeirinha c/ asperge;
  • FUNÇÕES: Librifero; Turiferário; Naveteiro; Comentarista; Quadro de Luz; Bandeja; Caldeirinha; Precônio; Velas do Altar; Leitores: 1ª Leitura; 1º Salmo; 2ª Leitura; 2º Salmo; 3ª Leitura; 3º Salmo; 4ª Leitura; 4º Salmo; 5ª Leitura; 5º Salmo; 6ª Leitura; 6º Salmo; 7ª Leitura; 7º Salmo; Epístola; Salmo.

OBSERVAÇÕES:

Rito do fogo novo, a Missa iniciará no estacionamento. Não espere o padre chegar para se colocar próximo a fogueira nem para se vestir, já esteja pronto e devidamente colocado próximo a fogueira.

Preparar a credência na parte da manhã.

Cada Ministro deverá acender a vela quando o padre mandar e repassar aos demais e continuar em procissão com a vela acesa. Ao entrar na igreja o Ministro deverá acender as velas pequenas que ficam nas paredes debaixo das 12 cruzes, já deixar ali antes uma cadeira para poder subir no lugar.

Determinar antes de começar a Missa, quais Ministros ascenderão as velas da parede. Verificar quem poderá.

Encenação dos Salmos: Pastoral Familiar distribuirá nas Pastorais/movimentos via setores Pré matrimonial, Pós matrimonial e Casos especiais.


SUGESTÕES DE CANTOS, HINOS E ANTÍFONAS PARA A VIGÍLIA PASCAL

Para a Vigília Pascal são propostas nove leituras: sete do Antigo Testamento e duas do Novo Testamento. Se, por motivos particulares, as circunstâncias o requerem, pode-se reduzir o número das leituras. Façam-se, pelo menos, três leituras do Antigo Testamento, ou, em casos mais urgentes, só duas, antes da Epístola e do Evangelho. Mas nunca se deve omitir a leitura do Êxodo sobre a passagem do Mar Vermelho (Leitura III).

LITURGIA DA PALAVRA


Primeira leitura: Gn 1,1- 2,2 ou 1,1.26-31a - Viu Deus que tudo o que tinha feito era bom.

Salmo 103 (104), 1-2a.5-6.10.12.13-14.24.35c (R. cf. 30)

Enviai o vosso Espírito, Senhor, e da terra toda a face renovai.

Bendize, ó minha alma, ao Senhor.

Senhor, meu Deus, como sois grande!

Revestido de esplendor e majestade,

envolvido em luz como num manto!

Fundastes a terra sobre alicerces firmes:

não oscilará por toda a eternidade.

Vós a cobristes com o manto do oceano,

por sobre os montes pousavam as águas.

Transformais as fontes em rios

que correm entre as montanhas.

Nas suas margens habitam as aves do céu;

por entre a folhagem fazem ouvir o seu canto.

Com a chuva regais os montes,

encheis a terra com o fruto das vossas obras.

Fazeis germinar a erva para o gado

e as plantas para o homem, que tira o pão da terra.

Como são grandes as vossas obras!

Tudo fizestes com sabedoria:

a terra está cheia das vossas criaturas.

Glória a Deus para sempre.

Ou Salmo 32 (33), 4-5.6-7.12-13.20.22 (R. 5b)

A bondade do Senhor encheu a terra.

A palavra do Senhor é recta,

da fidelidade nascem as suas obras.

Ele ama a justiça e a rectidão:

a terra está cheia da bondade do Senhor.

A palavra do Senhor criou os céus,

o sopro da sua boca os adornou.

Foi Ele quem juntou as águas do mar

e distribuiu pela terra os oceanos.

Feliz a nação que tem o Senhor por seu Deus,

o povo que Ele escolheu para sua herança.

Do céu o Senhor contempla

e observa todos os homens.

A nossa alma espera o Senhor:

Ele é o nosso amparo e protetor

Venha sobre nós a vossa bondade,

porque em Vós esperamos, Senhor.

Segunda leitura: Gn 22,1-18 ou 1-2.9a.10-13.15-1

O sacrifício de Abraão, nosso pai na fé.

Salmo 15 (16), 5 e 8.9-10.11 (R. 1)

Guardai-me, ó Deus, porque em Vós me refugio!

Senhor, porção da minha herança e do meu cálice,

está nas vossas mãos o meu destino.

O Senhor está sempre na minha presença,

com Ele a meu lado não vacilarei.

Por isso o meu coração se alegra e a minha alma exulta,

e até o meu corpo descansa tranquilo.

Vós não abandonareis a minha alma

na mansão dos mortos,

nem deixareis o vosso fiel sofrer a corrupção.

Dar-me-eis a conhecer os caminhos da vida,

alegria plena em vossa presença,

delícias eternas à vossa direita.

Terceira leitura Ex 14- 15,1 - Os israelitas cruzaram o mar Vermelho.

Salmo: Ex 15, 1-2.3-4.5-6.17-18 (R. 1b)

Cantemos ao Senhor, que fez brilhar a sua glória.

Ou:

Deus fez maravilhas: o seu nome é Senhor.

Cantarei ao Senhor, que fez brilhar a sua glória:

precipitou no mar o cavalo e o cavaleiro.

O Senhor é a minha força e a minha proteção:

a Ele devo a minha liberdade.

Ele é o meu Deus: eu O exalto;

Ele é o Deus de meu pai: eu O glorifico.

O Senhor é um guerreiro, Omnipotente é o seu nome;

precipitou no mar os carros do Faraó e o seu exército.

Os seus melhores combatentes afogaram-se no Mar Vermelho,

foram engolidos pelas ondas,

caíram como pedra no abismo.

A vossa mão direita, Senhor, revelou a sua força,

a vossa mão direita, Senhor, destroçou o inimigo.

Levareis o vosso povo e o plantareis na vossa montanha,

na morada segura que fizestes, Senhor,

no santuário que vossas mãos construíram.

O Senhor reinará pelos séculos dos séculos.

Quarta leitura: Is 54,5-14 - Com misericórdia eterna te ama o Senhor, teu redentor.

Salmo 29 (30), 2 e 4.5-6.11 e 12a e 13b

(R. 2a)

Eu vos exalto, ó Senhor, porque vós me livrastes!

Eu Vos glorifico, Senhor, porque me salvastes

e não deixastes que de mim se regozijassem os inimigos.

Tirastes a minha alma da mansão dos mortos,

vivificastes-me para não descer ao túmulo.

Cantai salmos ao Senhor, vós os seus fiéis,

e dai graças ao seu nome santo.

A sua ira dura apenas um momento

e a sua benevolência a vida inteira.

Ao cair da noite vêm as lágrimas

e ao amanhecer volta a alegria.

Ouvi, Senhor, e tende compaixão de mim,

Senhor, sede Vós o meu auxílio.

Vós convertestes em júbilo o meu pranto:

Senhor meu Deus, eu Vos louvarei eternamente.

Quinta leitura: Is 55, 1-11 - Vinde a mim, e vivereis; firmarei convosco uma aliança perpétua.

Salmo Is 12, 2-3.4bcd.5-6 (R. 3)

Com alegria bebereis do manancial da salvação.

Deus é o meu Salvador,

tenho confiança e nada temo.

O Senhor é a minha força e o meu louvor.

Ele é a minha salvação.

Tirareis água, com alegria, das fontes da salvação.

Agradecei ao Senhor, invocai o seu nome,

Anunciai aos povos a grandeza das suas obras,

proclamai a todos que o seu nome é santo.

Cantai ao Senhor, porque Ele fez maravilhas,

anunciai-as em toda a terra.

Entoai cânticos de alegria e exultai, habitantes de Sião,

porque é grande no meio de vós o Santo de Israel.

Sexta leitura: Br 3,9-15.32-4,4 - Caminhai na claridade do resplendor do Senhor.

Salmo 18 (19), 8.9.10.11 (R. Jo 6, 68c) (Sugiro usar a versão do CD de Salmos dos 15 anos da Paróquia São Pedro Fourier)

Senhor, Vossas palavras são espírito, são vida.

A lei do Senhor é perfeita,

ela reconforta a alma;

as ordens do Senhor são firmes,

dão sabedoria aos simples.

Os preceitos do Senhor são retos

e alegram o coração;

os mandamentos do Senhor são claros

e iluminam os olhos.

O temor do Senhor é puro

e permanece eternamente;

os juízos do Senhor são verdadeiros,

todos eles são retos.

São mais preciosos que o ouro,

o ouro mais fino;

são mais doces que o mel,

o puro mel dos favos.

Sétima leitura: Ez 36,16-28 - Derramarei sobre vós uma água pura, e vos darei um coração novo.

Salmo 41 (42), 2-3.5; 42 (43), 3-4

(R. 41 (42), 2)

A minh'alma tem sede de Deus.

Como suspira a corça pelas correntes das águas,

assim minha alma suspira por Vós, Senhor.

Minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo:

Quando irei contemplar a face de Deus?

A minha alma estremece ao recordar

quando passava em cortejo para o templo do Senhor,

entre as vozes de louvor e de alegria

da multidão em festa.

Enviai a vossa luz e verdade,

sejam elas o meu guia e me conduzam

à vossa montanha santa

e ao vosso santuário.

E eu irei ao altar de Deus,

a Deus que é a minha alegria.

Ao som da cítara Vos louvarei,

Senhor, meu Deus.

Quando se celebra o Batismo, pode dizer-se, em vez deste salmo, o cântico de Is 12, como acima, depois da Leitura V; ou ainda o Salmo 50 (51), como segue:

HAVERÁ BATISMO NESTE ANO de catecúmenos

Salmo 50 (51), 12-13.14-15.18-19 (R. 12a)

Criai em mim, Senhor, um coração puro.

Criai em mim, ó Deus, um coração puro e fazei nascer dentro de mim um espírito firme. Não queirais repelir-me da vossa presença e não retireis de mim o vosso espírito de santidade.

Dai-me de novo a alegria da vossa salvação

e sustentai-me com espírito generoso.

Ensinarei aos pecadores os vossos caminhos

e os transviados hão-de voltar para Vós.

Não é do sacrifício que Vos agradais

e, se eu oferecer um holocausto, não o aceitareis.

Sacrifício agradável a Deus é o espírito arrependido:

não desprezareis, Senhor,

um espírito humilhado e contrito.

Oitava leitura: Rm 6,3-11 - Cristo, uma vez ressuscitado dentre os mortos, já não morre.

Salmo 117 (118), 1-2.16ab-17.22-23

(R. Aleluia)

Aleluia. Aleluia. Aleluia.

Dai graças ao Senhor, porque Ele é bom,

porque é eterna a sua misericórdia.

Diga a casa de Israel:

é eterna a sua misericórdia.

A mão do Senhor fez prodígios,

a mão do Senhor foi magnífica.

Não morrerei, mas hei de viver

para anunciar as obras do Senhor.

A pedra que os construtores rejeitaram

tornou-se pedra angular.

Tudo isto veio do Senhor:

é admirável aos nossos olhos.

Evangelho: Lucas 24, 1-12

DOMINGO DE PÁSCOA

1 - Canto inicial

  • Padre entra de casula;

2 - Saudação inicial;

Turiferário; Círio; Ministros; coroinhas; Padre;

OBJETOS NECESSÁRIOS:

1 - Local para a concentração e procissão

  • Turíbulo / Naveta
  • Círio Pascal (por ser grande ficará no lugar aceso desde a Vigília Pascal) só será apagado na última Missa do domingo de Páscoa.

FUNÇÕES:

  • Librifero:
  • Cirioferário:
  • Turiferário:
  • Naviculário:

MISSA DO DOMINGO PASCAL

1 - Chegando à igreja, subido o presbitério, o padre como de costume, deita incenso no turíbulo e incensa o altar e o Círio, prossegue normalmente o Rito da Missa

OBJETOS NECESSÁRIOS:

  • Objetos normais usados nas Missas
  • Na Credencia: as oferendas (como de costume) para a Celebração Eucarística; lavabo, etc. . .

FUNÇÕES:

  • Permanecem as anteriores (1ª parte)
  • Comentarista:
  • Leitores:
  • 1ª Leitura:
  • Salmo:
  • 2ª Leitura:
  • Oração da Assembleia:
  • Preparação do Altar:

RITOS FINAIS:

  • Bênção solene, etc...
  • Despedida com Aleluia
  • LOUVOR PASCAL

OBSERVAÇÕES:

Tudo segue normalmente a liturgia que estamos acostumados a fazer.

Provavelmente daremos de presente "chocolate" na Vigília Pascal e no Domingo de Páscoa